Como criar um site profissional... Grátis!

por Clara Savelli
Rio de Janeiro


Olá pessoal! 
Será que vale uma apresentação antes de começar nosso tema de hoje?
Eu sou a Clara Savelli, escritora de Mocassins e All Stars, romance adolescente que já vendeu praticamente toda sua primeira edição. A segunda está prevista para Abril desse ano. Detesto falar de mim mesma, fico tímida (mesmo escrevendo). Acessa ali a aba de biografia e me stalkeie a vontade.

Quando eu criei meu site pessoal, penei um pouco. Eu tentei em diversas plataformas e falhei miseravelmente. Não entendo nem o mínimo de HTML e todos os webdesigners que eu conhecia cobravam uma grana preta (que eu não tinha e ainda não tenho).

Minha vida mudou quando eu conheci o WIX.

Antes de mais nada, que tal vocês darem uma olhada no meu site? http://www.clarasavelli.com/
Quando terminarem, voltem aqui!

Agora me respondam: para quem não sabe nada de HTML, até que ele está bem profissional, não é? Pois é, gente! Mérito do Wix!

Explico: a meta do Wix, para início de conversa, é facilitar a vida de pessoas como eu e você que não entendemos nada de programação e não temos 5 mil reais para pagar no design do nosso site. E ele facilita mesmo, porque a plataforma é muito intuitiva e em português! Muitas vezes eu me esquecia que estava trabalhando com um site, pensando que estava trabalhando em um editor de imagens ou no próprio word!

Estão duvidando? Sem problemas, vou mostrar um estudo de caso para vocês!

Sabe a Aimee Oliveira? Ela também é colaboradora aqui no blog e autora do livro Pela Janela Indiscreta. Ela ainda não tem um site pessoal e eu vou fazer um para ela secretamente, mostrando o passo a passo para vocês. Ela não sabe disso, é surpresa!

Primeiro passo: criar uma conta no Wix.
Use o seu e-mail profissional também, para as coisas não ficarem muito confusas. Eu usei um e-mail nosso, mas é possível mudar depois.
O próximo passo é escolher qual é a finalidade do seu site. Não precisa ficar preocupado, você pode escolher templates de qualquer tema, isso é só para categorizar.
Eu achei que pessoal > currículo fazia mais sentido, mas você pode escolher outra categoria que considere mais justa.
Aí vamos para a parte mais divertida: ESCOLHER O TEMPLATE! São muitas opções e você provavelmente vai perder um tempão fazendo isso! Todavia, quero avisar que você pode mudar TUDO. Cores, desenhos, fotos... Enfim, tudo. Para vocês terem uma ideia, o template original do meu site é esse:

E vocês viram como ele está hoje, né? Olhem de novo: www.clarasavelli.com



Eu vou escolher um template pra Aimee e espero que ela goste. Porém, se ela não gostar, ainda pode mudar  e nem tudo está perdido! Agora é só clicar em editar o template que você escolheu e tcharan, apresento-vos o editor:

Parece assustador, mas eu juro que é fácil!


Esse MENU do lado é o que vai te guiar por todo sempre. O menu páginas é o que vai te deixar editar as páginas que vão existir no seu site, como essas do menu. Você pode criar páginas ''ocultas'' também - ou seja, que fazem parte do site, mas não fazem parte do Menu. 

A aba com o pincel é o Design... Ou seja, você pode mudar o background, as fontes, as cores e etc. A aba com (+) é a que te permite adicionar coisas extras a página... Como imagens, novos textos, vídeos, etc... Mas calma, vamos por partes... Eis a alteração que eu fiz na HOME, usando só esses botões:



Lembrando que dá pra editar TUDO. Do cabeçalho ao rodapé! Fique atento para não deixar nenhum detalhe escapar! Mas se deixar escapar, também não se desespere: dá pra arrumar depois. E tem mais: você pode ficar editando eternamente e não publicar até você estar certa que ele está perfeito. Mas não esqueça de salvar as modificações. É no menu superior direito!

Enfim, você tem que seguir esse padrão de modificações por todas as páginas do seu site. Você pode criar páginas, alterar estilos, ocultar as páginas para que elas existam, mas não sejam visíveis no menu... Enfim, existem muitas possibilidades! Se eu fosse falar de tudo, o post ia ficar gigantesco! Eu nem tenho condições de falar tudo. A verdade é que a maior parte das coisas você só descobre fuxicando e arriscando.

Eu publiquei o site da Aimee, mesmo que ainda não esteja 100% pronto, para que vocês pudessem ver o resultado final. Depois ela pode editar da maneira que achar melhor com minhas dicas nesse post e minha assessoria posterior.

Ah! Uma coisa muito importante! O site é gratuito, mas o link fica com o formato do wix, visto que você não comprou um domínio. Por exemplo, o site da Aimee ficou: http://tactriadeliteraria.wix.com/aimeeoliveira.

TAC Tríade Literária porque foi o e-mail que usei para criar o wix. Quando ela alterar o e-mail, isso também será alterado (até onde eu me lembro).

Se você quiser comprar um domínio, o WIX também te possibilita isso. Todavia, você precisará comprar um plano anual. Existem várias modalidades e não é tão caro assim.



Mas é tudo super explicado no próprio WIX. Juro, é como se ele tivesse saído daquela série de livros para leigos. Quem sabe posteriormente faço um post SÓ sobre isso! E também sobre como vender os livros pelo pagseguro (que ainda não coloquei no site novo da Aimee, mas tem no meu).

Por hoje, a dica é essa! O post já ficou enorme! Enfim, vejam novamente o resultado final: http://tactriadeliteraria.wix.com/aimeeoliveira

Quem chegou até aqui é realmente vitorioso (ou quer muito mesmo fazer um site)! Boa sorte :)

O autor precisa por os pés no chão

Por Marine
SÃO PAULO

Meu Deus! Faz quase 1 ano que eu não atualizo isso aqui! Peço perdão pelo vacilo.

Nesse 1 ano deu tempo para eu lançar meu livro com uma editora, participar da Bienal de São Paulo, esgotar a tiragem, ficar sem editora e passar pela crise dos vinte (que é tipo a passar pela puberdade só que pior). Por incrível que pareça, a crise dos vinte anos ocupou mais tempo do meu 2014 do que qualquer outra coisa que eu tenha listado. O que é estranho. Mas é a pura verdade.

Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas de todos os aspectos atolavam a minha mente. E com tanto questionamento na cabeça eu não conseguia sentar e escrever nem um “olaaaaar, pessoas” no Facebook. É.

Mas já está superado (eu espero, porque agora tenho vinte e um) e não foquemos mais nisso. Vamos falar de coisa boa – que não é a tekpix: A Oficina do Autor está de volta! E agora conta com uma nova equipe linda e maravilhosa de autoras “cariocas” (coloquei entre aspas, porque o resto do país chama todo mundo que mora no RJ de carioca, o que é errado) que estão cheias de ideias para pautas e prometem aparar seu choro desesperado, caro gafanhoto.

Isso aí! Já comemorou? Já mostrou os mamilos? Então pode colocar a camiseta de volta que o assunto agora é sério. A função da pauta de hoje é acabar com as ilusões (não com os sonhos!) do autor iniciante. Assim mesmo. Nu e cru.

Como eu disse, 2014 foi um ano cheio de muitas coisas não só para mim, como também para amigos escritores já publicados. Foi um desânimo e crise interna geral. “Será que escrever é mesmo para mim?” era o que o pequeno demônio no ombro esquerdo sussurrou e sussurra nos ouvidos de muitos.

Querido, escrever é mesmo para você. O que não é para você é alimentar a ilusão de que depois que uma editora disser “sim” para seu primeiro livro, as portas do céu irão se abrir. O que de fato vem depois do “sim” é mais um monte de “não”. Não, seu livro não estará em destaque em todas as livrarias. Não, seu livro sequer estará nas livrarias. Não, seu livro não terá uma tiragem enorme. Não, seu lançamento não terá 500 pessoas – no máximo terá sua família e amigos mais próximos. Sim (oba, um “sim”!), as pessoas que disseram “pode publicar seu livro que eu vou ser o primeiro a comprar COM CER-TE-ZA!” vão virar os rostos e começar a assoviar.

Tem exceções? Tem. Mas provavelmente você não será uma delas. E isso não é um desafio ou uma afronta; é a realidade. Pegue a lista de autores mais vendidos ou conceituados (ou ambos); todos ralaram muito para estarem ali. E quando eu digo “ralaram” eu quero dizer “ralaram a bunda meeeeesmo” para estarem ali. Grande parte desses tiveram seus livros lançados independente ou em pequenas editoras. Foram só no segundo ou quarto livro que alcançaram um lugar ao Sol e depois de muito bater em escola e escola, ir de evento a evento, te encher o saco na Bienal do Livro dizendo “toma de presente o marcador do meu livro! Posso falar dele rapidinho para você?”, etc.

Alguns dão “sorte”: ou ganham um concurso literário, ou têm um blog, vlog ou carreira de sucesso, enfim... (entenderam agora o porquê eu escrevi a palavra sorte entre aspas? Porque não foi totalmente o destino que operou na vida da pessoa. Ela também se esforçou). Para esses “sortudos” e para os autores veteranos que já estão no segundo ou quinto livro, alguns itens daquela lista de “nãos” viram “sim”, mas aí – imagine o que acontece! – vêm outras barreiras. Não, não iremos lançar seu novo livro esse ano e nem temos previsão de quando iremos. Não, não sabemos se faremos ou quando faremos uma nova tiragem do seu livro... E por aí vai!

O mercado literário é complexo e funciona para os autores quase como uma “seleção natural”: só os fortes sobrevivem. Só os que conseguem passar por esse choque de realidade e persistem, sobrevivem e vão parar naquela lista que eu citei.

Uma amiga minha (que já vive da escrita e é bastante reconhecida) me disse esses dias que o jovem autor está comemorando demais, e eu concordo plenamente. Nem ela e nem eu estamos querendo dizer que você não pode comemorar suas conquistas. Pode e deve. É para chorar sim, pular sim, postar nas redes sociais, brindar com a família... Tudo isso e um pouco mais. O que não pode é deixar isso te cegar. Quantas vezes eu já dei pulos de alegria junto com minha família e leitores e me esqueci de colocar os pés no chão e perceber a merda (desculpem a expressão) grande que está vindo de encontro a mim? Algumas. O sonho pode sim virar um baita pesadelo que só acaba quando você abre os olhos, respira fundo, sai da cama e batalha um pouco mais.

“Mas o que eu faço? Estou tendo problemas com minha editora/levei calote/a gráfica me entregou um péssimo material...” tenha calma e não desista. Eu sei que é desmotivador e desesperador, mas há muitos autores que estão passando exatamente pelo mesmo ou por algo pior, entretanto continuam divulgando seus trabalhos e sorrindo, sabe por quê? Porque têm os pés no chão e foco.

Enfim, esse post é mais para os novos autores que ainda estão esperando ansiosamente as respostas das editoras, ficarem cientes que o negócio vai ficando mais difícil sim e se preparem psicologicamente para isso. E é também para os autores veteranos, claro: não desista; reúna forças para seguir em frente e seja sensato nas suas próximas decisões que certamente irá alcançar seus objetivos.

É isso, galera. O restante aqui no blog continua funcionando da mesma forma: se concorda ou discorda do post, desça o pau nos comentários. Se tem dúvidas ou sugestões para pautas, nos envie através do e-mail aofinadoautor@hotmail.com

Até o próximo post!